Dando continuidade aos Transtornos de Personalidade do Grupo A, abordaremos hoje sobre o transtorno de personalidade antissocial.

Quase todos nós conhecemos alguém que tem um transtorno de personalidade, muitas vezes só não sabemos identificar qual é, porém, é muito comum (eu acredito) vocês identificarem alguém com o transtorno antissocial. Essas pessoas são caracterizadas por um histórico de fracasso em acatar normas sociais.

Comportamento de quem tem transtorno antissocial

As pessoas que tem este transtorno de personalidade demonstram um comportamento que a maioria considera inaceitável, como por exemplo, furtar de amigos e da família.

Eles tendem a ser irresponsáveis, impulsivas e falsos. São predadores sociais que encantam, manipulam e progridem na vida de modo implacável, deixando para trás um grande número de corações partidos, expectativas frustradas e carteiras vazias. Demonstram ausência completa de consciência e empatia, apossam-se de modo egoísta daquilo que desejam e fazem o que bem entendem, violam normas e expectativas sociais sem o menor senso de culpa ou arrependimento. Quem são essas pessoas? Tenho certeza de que você lembrou-se de alguém não é? rs

 

Transtorno antissocial

Descrição clínica

 

Os portadores do transtorno da personalidade antisocial costumam ter longo histórico de violação dos direitos das demais pessoas (Widiger e Corbitt, 1995). Muitas vezes são considerados violentos porque conseguem o que desejam, indiferentes às preocupações dos outros. Mentir e enganar parece ser um traço adquirido e, muitas vezes, demonstram ser incapazes de estabelecer a diferença entre a verdade e as mentiras que inventam para atingir suas metas. Não demonstram remorso ou preocupação a respeito dos efeitos, algumas vezes danosos, de seus atos. O abuso de substâncias é comum, ocorre em 83% dos portadores e parece ser um padrão permanente. O transtorno da personalidade antissocial teve diversas designações ao longo dos anos. Um deles foi à psicopatia, porém, existem diferenças entre os dois.

transtorno antissocial

Critérios para definir um psicopata segundo Hervey C leckley

 

Características definidoras incluem atração superficial e boa inteligência, inexistência de delírios ou outros sinais de pensamento irracionais, ausência de “nervosismo” e de outras manifestações psiconeuróticas, ausência de confiabilidade, falta de veracidade e insinceridade, inexistência de remorso ou vergonha, comportamento antissocial motivado inadequadamente, julgamento precário e incapacidade para aprender com a experiência, egocentrismo patológico e incapacidade de amar, insuficiência geral das principais reações afetivas, perda específica da percepção intuitiva, inexistência de correspondência nas relações interpessoais em geral, comportamento estranho e sem proximidade e, por fim, incapacidade para seguir um plano de vida. Podemos observar que o psicopata tem indícios de transtorno antissocial, algumas coincidências, porém, características diferentes.

PUBLICIDADE

 

transtorno antissocial

 

transtorno antissocial

Particularmente, conheci algumas pessoas com indícios de transtorno antissocial ou psicopatia, alguns “chefes”, por exemplo, que pareciam não ter capacidade de amar, não se importavam com o sofrimento dos subordinados, apenas com cumprimento de horários e metas. Sofremos com pessoas deste tipo de personalidade e  mesmo que não possamos mudá-los, é bom entendê-los para procurar de alguma forma nos proteger. Espero que tenham gostado do artigo até o próximo que abordarei outros tipos de transtornos ainda não citados.

transtorno antissocial

 

Psicopedagoga, Psicanalista Clínica, Palestrante, Bacharel em Administração de Empresas, Professora do município de Juazeiro-BA na área de Atendimento Educacional Especializado, Escritora/poetisa com livro publicado pela Editora Baraúna e CBJE.
Compartilhe:
Diferença de transtorno antissocial e psicopatia
Classificado como:
  • Monica

    Interessante
    E qual a diferença entre psicopatia e transtorno de personalidade antissocial?

    • Socorro Bernardes

      Monica, realmente a diferença é bem sutil, uma pessoa com transtorno de personalidade antissocial não faz distinção entre o que é certo e errado, não considera os direitos dos demais, seus desejos e sentimentos, explora os outros para obter algum ganho, porém, segundo estudos podem ser tratados e tem indícios de melhora, já a psicopatia não tem melhora e nem cura é uma desordem da personalidade e tem todos os sintomas desse transtorno sendo mais agravante.Alguns estudiosos ainda se dividem quanto à diferença entre os dois.

  • Monica

    Oi, Socorro
    Eu, particularmente, não percebo distinção entre uma e outra coisa e, se analisarmos bem, não vejo perspectiva de tratamento, uma vez que, tanto o psicopata quanto o indivíduo com transtorno antissocial, não consideram errado o que fazem, nem tampouco há arrependimento.
    Assim sendo, não há como a pessoa desejar tratamento, concorda?
    Obrigada por me responder

    • Vanessa Quadros

      Há tratamentos pra antissocial mas não há pra a psicopatia. Existem psicologos forenses especialistas nessa área que já obtiveram sucesso em reinserir essas pessoas com transtorno na sociedade e elas melhoraram muito. Já a psicopatia é algo mais complexo. Pra você definir uma pessoa com transtorno antissocial, você tem 7 criterios e precisa encaixar o cliente somente em 3 desses critérios. Pra classificar alguém como psicopata existem 20 critérios e vc precisa encaixar eles, no mínimo em (eu não tenho certeza) 13 criterios! 😉

  • Socorro Bernardes

    Exatamente Monica, coloquei o tema em pauta justamente para provocar uma discussão, já que alguns estudiosos da área acreditam que exista uma diferença, porém, analisando sobre a questão abordada por você, eu concordo que seja impossível tratar uma pessoa, quando ela acredita não precisar de tratamento.