Imagine que você tem 4 anos de idade e alguém lhe faz a seguinte proposta: se você conseguir esperá-lo voltar de uma determinada tarefa, você ganha muitos  doces (marshmallow) de presente. Se não, ganha só um – imediatamente.

TDAH

Este é um desafio seguro para testar a alma de qualquer criança de 4 anos, um microcosmo da eterna batalha entre o impulso e a contenção, id e ego, desejo e autocontrole, satisfação imediata e capacidade de aguardar a satisfação. Que escolha a criança fará é um teste revelador, principalmente para aquela que apresenta TDAH, oferece uma rápida leitura não apenas do caráter, mas da trajetória que ela provavelmente seguirá pela vida afora segundo estudiosos.

Talvez não haja aptidão psicológica mais fundamental que a capacidade de resistir ao impulso. É a raiz de todo autocontrole emocional, uma vez que todas as emoções, por sua própria natureza, levam a um ou outro impulso para agir.

Uma pesquisa neste sentido foi realizada na década de 1960 pelo Psicólogo Walter Mischel, numa pré- escola da Universidade de Stanford e acompanhou crianças (sem histórico de TDAH) até o segundo grau, vejam o resultado:

TDAH

Algumas crianças foram capazes de esperar o que certamente devem ter sido intermináveis 15 a 20 minutos até o pesquisador retornar. A fim de se agüentarem na luta contra o impulso, tapavam os olhos para evitar a tentação, ou metiam a cabeça entre os braços, conversavam consigo mesmas, cantavam, brincavam com as mãos e os pés, e até tentavam dormir. Esses valentes pré-escolares receberam a recompensa dos doces (marshmallows). Mas outros, mais impulsivos, agarraram o seu único doce, quase sempre segundos depois de o pesquisador deixar a sala para ir cumprir a “tarefa”.

O poder diagnóstico de como lidaram com este momento de impulso tornou-se claro 12 e 14 anos depois, quando essas mesmas crianças foram observadas na adolescência.

A diferença emocional e social entre os pré-escolares que agarraram o chocolate e seus colegas que adiaram a satisfação era impressionante. Os que resistiram à tentação aos. 4 anos eram, agora, adolescentes mais competentes socialmente: pessoalmente eficazes, auto-assertivos e mais bem capacitados para enfrentar as frustrações da vida.

Tinham menos probabilidade de desmontar-se, paralisar-se ou regredir sob tensão, ou ficarem abalados e desarvorados quando pressionados; aceitavam desafios e iam até o fim, em vez de desistir, mesmo diante de dificuldades; eram independentes e confiantes, confiáveis e firmes; e tomavam iniciativas e mergulhavam em projetos.

E, mais de uma década depois, ainda podiam esperar um certo tempo para receber suas recompensas, enquanto perseguiam seus objetivos.

Aqueles que agarraram rapidamente o doce, cerca de um terço do grupo tendiam a ter reduzidas essas qualidades e possuíam ao contrário, um perfil psicológico relativamente mais problemático.

Na adolescência, tinham mais probabilidade de serem considerados tímidos nos contatos sociais; de serem teimosos e indecisos; de perturbarem-se facilmente diante de frustrações; de julgarem-se “ruins” ou indignos; de regredirem ou ficarem imobilizados quando tensos; de serem desconfiados e ressentidos por “não conseguirem nada”; de tenderem ao crime e à inveja; de reagirem exageradamente a irritações com mau humor, desta forma provocando discussões e brigas.

E, após anos, continuavam sendo incapazes de aguardar a recompensa.

Podemos observar que o que aparece discretamente no início da vida desabrocha numa ampla gama de aptidões sociais e emocionais com o desenrolar dela.

Mais surpreendente ainda: quando as crianças testadas foram de novo avaliadas ao concluírem o ensino médio, as que tinham sido pacientes aos 4 anos eram muito superiores, como estudantes, do que as que haviam agido impulsivamente. Segundo relato dos pais eram mais competentes em termos acadêmicos, mais capazes de pôr as idéias em palavras, usar e responder à razão, concentrar-se, fazer planos e segui-los até o fim, e mais ávidas por aprender.

O que Walter Mischel, que fez o estudo, nos transmite, é que as crianças com menos impulsividade podem ter uma melhor performance em sua vida emocional, profissional e acadêmica, ele não fez menção aos transtornos como o TDAH que possivelmente podem ser tratados e as crianças podem ter uma vida com qualidade, pois são crianças capazes.

Através deste texto o que gostaria de alertar é justamente o cuidado que nós, pais, educadores devemos ter deste tenra infância com as crianças tenham elas ou não TDAH. As constatações de Walter Mischel acentuam o papel da inteligência emocional como uma capacidade de atingir metas, determinando como as pessoas tenham ou não TDAH podem empregar bem ou mal suas capacidades mentais.

 

Fonte: Inteligência Emocional – Daniel Goleman

PUBLICIDADE

Convido a todos vocês envolvidos no processo de aprendizagem de crianças, adolescentes e adultos, a conhecerem o E-book “Dislexia, Transtorno ou Talento?” Cujo objetivo é justamente demonstrar através de conhecimento, estratégias e atividades que todas as crianças possuem talentos e a forma como devemos despertá-lo. Tenho certeza que todos que o adquirirem terão outra visão da Dislexia e consequentemente através do seu conteúdo e aplicação suas práticas com estas crianças serão exitosas.

banner_dislexia_300_250

Vejam muito mais conteúdos com estratégias e atividades no Curso Dislexia Estratégias e Atividades, destinado a pais, professores, fonoaudiólogos, psicólogos escolares, psiquiatras, pedagogos, psicopedagogos, especialistas de atendimentos educacionais (AEE), TO’s, e as próprias pessoas com o transtorno. Contêm muitas informações relevantes, estratégias e muitas atividades que podem ser aplicadas de forma lúdica e criativa, promovendo deste modo a aprendizagem da criança, por pais, e professores, visando auxiliar os mesmos em suas práticas diárias.

Como bônus você levará 2 E-BOOKS, o e-book CIRANDA – Ensinando com rimas, que contêm poesias educacionais, sugestões de atividades e atividades (modelo) que podem ser trabalhadas com todos os alunos, e o e-book Déficit de Atenção ou TDAH. São inúmeras vantagens para você. ADQUIRA JÁ!

 

Curso de Dislexia Online

 

 

Se você quiser aprender mais sobre TDAH aproveite e inscreva-se em nosso curso de TDAH Estratégias e atividades Inédito + Bônus de um e-book Trabalhando as emoções das crianças. Está imperdível, ADQUIRA JÁ!

banner_300x250_tdah_bonus

No intuito de auxiliar a pais, professores e as crianças, escrevi o e-book “Atividades exitosas” (91 páginas) em que reuni atividades criativas de fácil aplicação além de estratégias. De bônus os presenteio com o e-book “Ciranda” (48 páginas) onde podemos ensinar através de poesias e rimas, com sugestões e modelos de atividades. Este material foi escrito com muito carinho e dedicação, tenho certeza que será muito proveitoso, e se for bem aplicado se refletirá na real aprendizagem dos alunos, em especial aqueles que têm TDAH, Dislexia ou outros Transtornos de aprendizagem.

banner_ebook_atividades_300_250

Se você ainda não possui, adquira já o e-book “O Menino Que Não Tinha Jeito” e como bônus ganhe o e-book completo “Déficit de Atenção ou TDAH”:

ebook_o_menino_que_nao_tinha_jeito

Psicopedagoga, Psicanalista Clínica, Palestrante, Bacharel em Administração de Empresas, Professora do município de Juazeiro-BA na área de Atendimento Educacional Especializado, Escritora/poetisa com livro publicado pela Editora Baraúna e CBJE.
Compartilhe:
Teste do Marshmallow (doce) para controle da impulsividade em crianças com ou sem TDAH
Classificado como: