Segundo estudos será disgráfica toda criança cuja escrita seja defeituosa, quando não tem algum déficit neurológico ou intelectual importante que os justifique. Crianças intelectualmente “normais” escrevem devagar e de forma ilegível, fato que atrasa seu progresso escolar. É um transtorno psicomotor que costuma surgir como parte da síndrome dispráxica ou dentro do quadro da debilidade motora. Surgem também disgrafias ligadas à surdez e aos transtornos de lateralidade ou em comorbidade com transtornos como o TDAH.

TDAH

Existem diferentes tipos de disgrafia.

Disgrafias posturais: referem-se à distintas dificuldades na escrita que se
Originam de uma má postura ao escrever.
– Apoiar-se sobre a mesa
– Agarrar-se à cadeira
– Folha centrada
– Zoom ocular: precisa aproximar muito a folha dos olhos
– Folha virada para a direita
– Escoramento cefálico: a criança sustenta a cabeça com a mão que não escreve ou apoia a cabeça sobre o braço, ficando apoiada sobre a mesa.
– Braço em forma de gancho: mão colocada acima da linha da escrita, o que a obriga a girá-la em demasia.
– Folha virada para esquerda

Disgrafias de preensão:

– Palmar: a criança pega o lápis com o polegar e os três ou quatro últimos dedos. O polegar está em cima do indicador.
– Preensão sobre a ponta do lápis
– Tetradigital: segura o lápis com a ponta dos dedos
– Falanges hiperarticuladas
– Lápis seguro entre o dedo indicador e o médio
– Bidigital: segurar o lápis com dois dedos
– Tridigital: com a polpa do dedo médio

Disgrafias de pressão:

– Letras asas de mosca”: traços muito fracos
– Letras “amassafolha”: pressão excessiva no traço ao escrever
– Letra parkinsoniana: pequena, tr~emula e rígia

Disgrafias de direcionalidade:

– Descendente
– Ascendente
– Serpenteante

Disgrafias de giro:

As letras que necessitam de traços circulares na sua execução como a, o, d, g, f e q são feitas com giros invertidos, ou seja, no sentido horário. Isto dificulta o traçado da letra e sua ligação com a letra seguinte.

Disgrafias de ligação:

– Falta de ligação entre as letras na escrita cursiva.
– Ligação “simbiótica”: escrita das letras coladas entre si, sem as linhas de união definidas.
– Ligação elástica: as letras são separadas e unidas obrigatoriamente com linhas que parecem sobrecarregadas.

Disgrafias figurativas:
– Mutilação de letras
– distorções de letras

Disgrafias posicionais:
– Verticalidade caída para trás
– Letras em espelho
– Confusão de letras simétricas como por exemplo, b e d.

Disgrafias relacionadas com o tamanho:

– Macrografias
– Micrografias

Disgrafias espaciais:

– Interalinhado regular
– Texto margeado à esquerda

Atividades e estratégias

O aperfeiçoamento da escrita tende a compensar os déficits na mesma, na medida em que se pretende melhorar os fatores funcionais que afetam o ato de escrever. Deste modo apresentaremos algumas estratégias e atividades para serem praticadas com crianças que tem disgrafia com comorbidade ou não do TDAH.

Pautas

– Lisa unilineal: permite à criança apoiar corretamente a escrita, mas não dá resposta aos problemas de dimensão ou espaçamento.

– Lisa de duas linhas: as letras baixas são adequadamente situadas entre duas linhas, o que compensa parcialmente o problema das dimensão das letras.

– Quadriculdada: permite adequar a escrita em termos de dimensão e espacialização. Convém utilizar quadrículos grandes para que a criança não tenha de fazer um esforço perceptivo suplementar e desnecessário.

Atividades de Aperfeiçoamento

– Transtornos da inclinação
• Desenhar linhas paralelas.
• Desenhar ondas e linhas retas paralelas.
• Recortar tiras de papel paralelas.
• Numa folha de papel desenhar pontos em ambos os extremos que a criança deve unir. Realizar também atividades de escrita procurando terminar em locais adequados.

TDAH

– Transtornos de proporção

O uso de pautas quadriculadas pode corrigir os transtornos de dimensão das letras. Deve-se dar à criança algumas orientações: as letras ascendentes ou descendentes ocupam três quadrados, as letras baixas apenas uma.

TDAH

– Transtornos de ligação entre letras
• Exercícios de reaprendizagem da forma das letras.
• Exercícios de repassar palavras e frases sem levantar o lápis.
• Pôr palavras com letras separadas para que a criança as una de forma correta.

TDAH

 

– Transtornos de Espaçamento

O uso de pautas quadriculadas com o estabelecimento de deixar três quadrículos entre as palavras pode ajudar na homogeneidade do espaçamento.

c) Controle dos movimentos que acompanham o grafismo

– Posição do corpo

Durante a escrita, o corpo tem de permanecer paralelo à mesa evitando que se forme um ângulo com esta, uma vez que isso obriga a rodar os ombros para escrever. As costas devem estar apoiadas nas costas da cadeira e só a zona dorsal formará um ligeiro ângulo com o bordo da mesa.

– Posição da mão

Posições incorretas frequentes na disgrafia:

• Suporte múltiplo: o lápis é segurado com a colocação de dedo polegar por cima do mesmo. Desta forma, a mão cansa-se mais, uma vez que o dedo polegar tem uma função de suporte e ao colocar-se em cima do lápis atrasa a escrita e provoca sensações dolorosas ou de fadiga na mão.
• Crispação dos dedos: a crispação é a flexão excessiva de um ou vários dedos durante a escrita, o que gera sensações desagradáveis e paragens durante a escrita. Os exercícios de relaxação, educação do gesto manual e digital e coordenação visuomotora ajudam a que desapareça a crispação.
• Posição de varrimento: inadequada postura do ângulo que forma a mão ao escrever com o papel. É mais comum entre crianças canhotas, mas também acontece nos destros. Esta posição leva a fadiga e sensações dolorosas do pulso. é aconselhável a relaxação segmentar e prestar atenção á inclinação do papel.
• Posição empunhada: a criança segura o lápis na intersecção ou buraco formado pelos dedos indicador e polegar. Esta posição obriga a criança a uma postura crispada e fatigosa, assim como a um suporte insuficiente do lápis. Progressivamente a criança deve ser ensinada a utilizar a pinça fina (indicador, polegar e médio).

d) Posição do papel

À medida que a criança cresce o papel vai-se separando da posição vertical criando-se um ângulo cada vez maior entre a mesa e a posição do papel. O ângulo de inclinação aumenta progressivamente ao longo dos anos (nos adultos é de 30 º). Do mesmo modo, a criança tende a aproximar o papel em direção ao hemicorpo da mão que escreve. Determinadas posturas provocam alterações no grafismo (ângulo inadequado, movimentos persistentes). Convém realizar exercícios em que a criança possa aprender a escrever com correta inclinação. Um exemplo é fixar o papel para impedir que a criança o mova durante a escrita.

A reeducação grafomotora tem como objetivo exercitar o grafismo prévio à escrita, pretendendo educar e corrigir os movimentos básicos que intervêm na escrita. De seguida apresentam-se alguns exercícios sobre este tópico.

Linhas Retas

PUBLICIDADE

TDAH

a) Com o pincel

A utilização do pincel permite melhorar os transtornos de pressão e suporte, contudo só deve ser usado em fases iniciais.

– Realizar traços horizontais da esquerda para a direita.
-Realizar traços verticais.
-Pintar quadrículos com traços horizontais ou verticais.
-Pintar zig-zags.

TDAH
-Pintar traços alternado a grossura (grosso-fino).
– Preencher formas com traços retos.

TDAH

b) Exercícios sobre pautas

– Num quadro pautado (com quadrículos) seguir uma série de desenhos de progressiva dificuldade.

TDAH

Continuar as séries iguais

TDAH

Continuar as séries alternantes

TDAH

 

Lançamento do nosso mais novo e-book: “Viva o autismo com estratégias e atividades”

Apresento a vocês este trabalho sobre o autismo que tem como objetivo através de muito conhecimento, dicas importantes, estratégias, atividades, relatos,  mostrar que todas as crianças são capazes e aprendem sim. Como bônus vocês irão ganhar o e-book inédito: Atividades exitosas complementares de alfabetização.


E-book Viva o Autismo

E-book “Atividades Exitosas 2”

Devido ao extraordinário sucesso do nosso e-book “Atividades Exitosas”, estamos lançando o “Atividades Exitosas 2”, com mais de 100 atividades onde obtive êxito com crianças com TDAH, dislexia e autismo também (comprovadas e testadas) e agora com lúdico e E.V.A. Imperdível!

E-book Atividades Exitosas 2

Convido a todos vocês envolvidos no processo de aprendizagem de crianças, adolescentes e adultos, a conhecerem o E-book “Dislexia, Transtorno ou Talento?” Cujo objetivo é justamente demonstrar através de conhecimento, estratégias e atividades que todas as crianças possuem talentos e a forma como devemos despertá-lo. Tenho certeza que todos que o adquirirem terão outra visão da Dislexia e consequentemente através do seu conteúdo e aplicação suas práticas com estas crianças serão exitosas.

banner_dislexia_300_250

Se você quiser aprender mais sobre TDAH aproveite e inscreva-se em nosso curso de TDAH Estratégias e atividades Inédito + Bônus de um e-book Trabalhando as emoções das crianças. Está imperdível, ADQUIRA JÁ!

banner_300x250_tdah_bonus

No intuito de auxiliar a pais, professores e as crianças, escrevi o e-book “Atividades exitosas” (91 páginas) em que reuni atividades criativas de fácil aplicação além de estratégias. De bônus os presenteio com o e-book “Ciranda” (48 páginas) onde podemos ensinar através de poesias e rimas, com sugestões e modelos de atividades. Este material foi escrito com muito carinho e dedicação, tenho certeza que será muito proveitoso, e se for bem aplicado se refletirá na real aprendizagem dos alunos, em especial aqueles que têm TDAH, Dislexia ou outros Transtornos de aprendizagem.

banner_ebook_atividades_300_250

Se você ainda não possui, adquira já o e-book “O Menino Que Não Tinha Jeito” e como bônus ganhe o e-book completo “Déficit de Atenção ou TDAH”:

ebook_o_menino_que_nao_tinha_jeito

 Em breve estaremos disponibilizando o Curso Online de DISLEXIA Estratégias e Atividades. Aguardem!TDAH

Psicopedagoga, Psicanalista Clínica, Palestrante, Bacharel em Administração de Empresas, Professora do município de Juazeiro-BA na área de Atendimento Educacional Especializado, Escritora/poetisa com livro publicado pela Editora Baraúna e CBJE.
Compartilhe:
Atividades e estratégias para alunos com disgrafias, comorbidade do TDAH
Classificado como: